E uma imagem se foi… =(

Para minha surpresa fui contactado pelo autor de uma das imagens que utilizei na palestra da Dafiti Tech Conference de 2014 por conta do, segundo o autor, uso comercial que estava sendo feito.
Foi uma rápida troca de emails que podemos resumir como eu questionando o motivo do uso ser comercial ou não e ele respondendo com “pague ou delete”.

No fim das contas ele acionou o slideshare para retirada dos slides por conta da tal foto e os requerimentos que eu precisaria preencher para tentar mudar me deram uma preguiça monstruosa e existe a dúvida.

No caso, antes de questionar a violação de direitos autorais, eu deveria buscar aconselhamento legal. Entende o trabalhão por conta de uma foto de gato?

Então eu usei a foto sem respeitar os direitos autorais? Bem… Talvez. Eu sinceramente não acredito que tenha feito uso que contrarie os termos dados pelo autor pra imagem.

A foto foi publicada com os termos uso não comercial, atribuição e não derivadas.
No caso aqui o que pegou foi o uso não comercial. No resumo:

A commercial use is one primarily intended for commercial advantage or monetary compensation.

E ai a porca torce o rabo.
No FAQ do Creative Commons eles já declaram abertamente que uso comercial não deve ser algo do tipo “se é uma empresa é uso comercial e se é caridade não é uso comercial”. Está mais pela intenção de uso. No próprio guia de uso ( que não deve ser considerado como orientação legal ) são explicadas algumas definições.

E qual foi o caso mesmo?
Como linkei no começo foi minha palestra que fala sobre o trabalho desenvolvido para redução de pageload durante o ano de trabalho e quais técnicas e conhecimentos podem ser utilizados.

O evento era gratuito e eu não recebi nada para apresentar. Só isso limitaria o uso como não comercial? Provavelmente não. Podemos separar  a minha intenção da do evento? Muito provavelmente dependerá de quem faz a interpretação. O evento tinha caráter comercial? Talvez. Se você ler a descrição do evento ele se define como um evento de TI para apresentar algumas tecnologias utilizadas pela empresa ( e talvez seja ai que a coisa possa ser interpretada de tal forma que suja pro meu lado ) e eu fui convidado a falar sobre os resultados do frontend e minha carreira.

Nas conversas de bar tudo isso gerou um cisma de opiniões. Uns acham que houve violação e outros não. Eu realmente acredito que não mas não sou cego pra amplitude de interpretação do tema. Mas bem, são só desenvolvedores bebendo e discutindo sobre algo que não possuem tanto conhecimento. Acaba sendo mais diversão que resultados efetivos.

No resumo gostaria de dizer que:

  • Não mande email ameaçando as pessoas com processos. É feio. Dialogar faz bem e repassar conhecimento não deveria doer ( até onde sei não dói )
  • Não me desanima o ocorrido. Admito que não palestro como gostaria e menos ainda escrevo ( melhorar qualidade e quantidade é preciso ) mas ainda assim tal situação não pode se tornar uma paranoia.
  • Dá uma preguiça enorme preencher contra avisos mas ainda assim acho que quando se sentir realmente injustiçado faça. Não seja um Tagliati.
  • Eu preciso urgentemente voltar a escrever. A coisa tá feia já.
  • Se a moda pega a coisa vai ficar feia pras minhas apresentações. Só tem imagens. Talvez eu precise sair mais fazer imagens originais pra palestras.

Vida longa e próspera.

E já que estamos de mudança…

Assumi uma solução mais econômica pro meu blog visto que meus projetos estão congelados. Logo Tagliati.com passa a ficar dentro do wordpress.com mesmo.
Como não ganho fortunas em publicidade e a necessidade de customização de layout é zero resolvi me utilizar deste recurso.

Por $30,00 anuais você ganha o direito de configurar seu domínio para apontar para uma conta do wordpress.com que foi o fiz no caso. É uma alternativa boa para aqueles que querem manter o blog com sua url com url customizada mas que não curte fazer alterações em layout

Para os projetos que venho brincando provavelmente seguirei o caminnho de muitos e testarei os serviços da amazon ( for free por um ano. procede ratinho? ). Só preciso estar plenamente estabelecido em sampa pois me falta o básico para sobreviver ainda ( internet ).

You are not so smart

Pra começar o ano.

Tive o “infortúnio de me identificar com alguns elementos que são apresentados no “trailer” deste livro.

No fim das contas além de genial me convenceu a checar sobre o livro e pensar em comprar. Entrou pra lista de leitura de 2012.
Interessados: http://www.amazon.com/You-Are-Not-So-Smart/dp/1592406599

Era pra ser uma review do #DevInCachu

O rascunho inicial era pra ser uma resenha do #DevInCachu. Mas depois de ler os posts que rolaram por ai acabou que não vi muito significado em falar sobre as palestras pois muitos outros o fizeram com uma propriedade tal que não seria capaz de me comparar.

Para ler mais sobre as palestras do DevInCachu você pode ler os textos do Leo Hackin e do Jeveaux pra começar.

“Ok, então qual o motivo do post e sua relação com o DevInCachu? Pois que eu saiba você dormiu o evento inteiro”

Não foi assim e as provas apresentadas são contestáveis.

Pra mim o importante do evento foi ver a renovação da motivação para se realizar coisas além da estação de trabalho e a retomada da constante melhoria. No momento pós-evento foi surpreendente ver a vontade das pessoas de criar movimento nas comunidades e estabelecer marcos tal como foi o DevInCachu. Eu acabei indo nessa onda e sendo levado a análisar como estamos guiando nossas carreiras e sobre vestir a camisa da empresa…

O verdadeiro vestir a camisa.

Assunto que vez por outra acabo discutindo e no evento não pode deixar de ser diferente. Da conversa tirei a seguinte conclusão:
Acredito que o que precisamos é vestir a camisa enquanto profissionais tal qual faz um jogador de futebol. A camisa que ele veste é parte o uniforme da equipe da qual ele faz parte e ainda que mude de equipe ( muito que provavelmente ) ele continuará sendo um jogador de futebol que terá de treinar sempre para obter o melhor desempenho, que trabalhará em equipe e abrirá mão de ser qualquer tipo de “rock star” em campo para que a equipe obtenha a vitória.
E a tendência é que seu passe vá ficando cada vez mais valorizado e assim ou o clube investe mais nesse profissional ou ele vai pra uma outra equipe com maiores recursos.
Troca de time mas dificilmente de esporte ( salvo similaridades com outras práticas mas jogador de futebol virando estrela do voley eu nunca vi) e se for um verdadeiro profissional honrará com os compromissos assumidos para aquele uniforme que está vestindo.

E o DevInCachu serviu pra isso. Para que eu pudesse entender o quanto poderia fazer enquanto profissional e saber se estava realmente honrando o uniforme ou se deveria “tirar essa farda preta pois era um moleque” e no fim se tudo der errado ter a certeza de que deu errado não por falta de esforço ou dedicação.

Pois se queixar de que tudo está dando errado e que não se teve oportunidades o suficiente é simples agora encarar os problemas e as possibilidades e tentar solucionar os problemas enquanto se cria as próprias oportunidades, ah isso, isso demanda muito esforço.

E você pretende ser um jogador de elite ou pretene passar o resto da vida como reserva de gandula chorando que nunca teve a chance de jogar em grande time?

Meu ambiente de trabalho em 7 itens

Fui indicado pelo Jeveaux e pelo M3nd3s ,para dar continuidade ao meme “Meu ambiente de trabalho em 7 itens”.

1) (g|mac)?Vim

Todo mundo copiando o regex que o m3nd3s fez pro seu post. A falta de criatividade é absurda. Mas vá lá…
Assim que comecei na Giran comecei a utilizar o TextMate que é um editor simpático e atende bem as necessidades de desenvolvimento tendo em paralelo como um gedit anabolizado. Porém depois de algum tempo de trabalho o Francisco e o Almir me apresentaram ao macVim. Já tinha ouvido muitas histórias assustadoras sobre o vim e as dificuldades de uso e no fim só se mostraram balela realmente. Um editor extremamente leve e prático com uma customização bacana que pode ajudar muito em sua produtividade.

Só tenho um problema que depois de um certo tempo usando Vim acaba acontecendo :q ou :cd em quase toda janela.

2) Firefox+Firebug

Desde seu lançamento passei a utilizar o Firefox e por fim se tornou o navegador padrão nos computadores que utilizo.

Para trabalhar com sites, um complemento importante ( que me foi apresentado nos dias em que trabalhava na iMasters ) é o Firebug. Para verificação de css, html e javascript é difícil encontrar ferramenta melhor provendo em tempo real as informações necessárias para modificações e permitindo uma série de experimentações.

3) Mac Os/Ubuntu

O Mac Os veio com a Giran e por escolha desde 2006 o Ubuntu. Na época (2006) tive problemas com o windows e no desespero para checar os emails acabei utilizando um cd que estava jogado lá do ubuntu que eu tinha acabado de receber pelo correio. Desde então meu computador pessoal não conhece outra coisa.

4) Bash (Terminal)

O uso do terminal veio com os dias de Ubuntu e no trabalho ele se mostrou fundamental para agilizar o desenvolvimento de aplicações e com a mudança pro Rails e o us do Git se tornou praticamente impossível fugir.

5) Rails

Nos últimos meses o php foi quase que totalmente substituído no meu dia-a-dia pelo Ruby on Rails. Uma framework extremamente eficiente ( que o Francisco Souza pode não concordar em suas comparações com Python ) que possui uma série de recursos fantásticos com uma curva de aprendizado que não chega a desagradar.

6) Git + github

Mais uma ferramenta que aprendi a utilizar com o pessoal da Giran.O git é ideal para não se perder, não perder código e conseguir coordenar o trabalho em equipe. E para extrair mais do potencial do git o Github vem ai pra assumir o trabalho.

O Github ainda não utilizo amplamente em meus projetos pessoais mas vou caminhando aos poucos enquanto que na Giran é fundamental para o desenvolvimento das atividades.

7) Google

Não só como ferramenta de pesquisa mas muitas das ferramentas associadas como os serviços de email gmail, calendário e feeds.

São componentes necessários ( exceto pelo agregador de sites que pode ser, relativamente dispensável ) que são oferecidos de forma Free com acesso simples bastando ter uma única conta junto ao google ( nooosssa! ).

Bonus Round: Xbox 360

Mesmo não sabendo jogar nada e a falta de coordenação motora se fazer evidente o entreterimento é fundamental para se ter um ambiente sempre descontraido. Sim.. eu sou péssimo em geral nas partidas de fifa eu perco pra todo mundo mas ainda assim acho divertido.

Concluindo:

A maioria dos itens são semelhantes aos do pessoal com quem trabalho. Acredito que era de se esperar algo do tipo.

Para dar continuidade ao meme convoco:
@dianapadua

@cobalto

@hitomichan


E em 2010 foi assim…

O ano de 2010 foi um ano muito interessante. Uma série de mudanças que causaram impacto tanto na vida pessoal quando profissional e praticamente prepararam o terreno para um ano de 2011 extremamente produtivo.

Em 2010 concluí minha primeira faculdade, Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação ( aja tecnologia em um nome só), experiência extremamente válida que me mostrou como o mercado pode ser amplo e como as pessoas podem melhorar com o incentivo adequado e o conhecimento de suas proprias limitações.

Passei a fazer parte da equipe Giran, começando com php em um projeto com Makoto, aprendendo um pouco de Python sob a tutela de Francisco Souza e partindo pro Rails junto com Leo Hackin e Almir m3nd3s. Participei do Rails Rumble ( mas mesmo sob o efeito de várias latas de energético consegui a proeza de dormir) e comecei a ter uma ideia da produtividade gerada pelo Rails.

Foi o ano que fiz minha primeira palestra ( em dupla com Francisco Souza) sobre CodeIgniter. Onde aprendi a otimizar meu código com o uso de ORM ( vide Doctrine ) e passei a usar amplamente o Overzealous DMZ.

Foi um ano que li menos que minha média natural de livros por ano mas ainda assim tive a oportunidade de ler os livros de Ricardo Semler e aprender um pouco mais sobre a história e preceitos de Steve Jobs.

Ano em que pela primeira vez utilizei um macbook. O ano em que aprendi um pouco sobre Scrum na prática.O primeiro ano que sobrou algo do salário e pude tomar decisões que demandavam maior investimento. O ano em que tomei decisões que vão afetar todo o resto de minha vida.

Foi um bom ano. E acredito que preparação para um ano bem melhor. Um ano em que pude construir boas amizades e trabalhar com ótimos profissionais.

A todos que puderam colaborar com um este ótimo ano deixo meu agradecimento e que eu possa fazer o mesmo nos anos que se seguirem em minha vida.